terça-feira, 11 de dezembro de 2007

You gotta be crazy, gotta have a real need...

Com a chegada das certezas e a ida dos fantasmas, sobra-me um vazio.

Minha vida é fragmentada e encapsulada, como as pílulas que me são intrínsecas e os textos que me constituem.

Eles me dão de presente a sensação de continuidade.

Luto contra o ascetismo olhando complacente para os quadros desalinhados em meu quarto.

Procuro em versos bobos uma espécie de simplicidade.

"Maria, sua pele bonita me faz suspirar um passado que nem é meu."

---------------------------------------------------------------------

Com a chegada das certezas e a ida dos fantasmas, sobra-me um vazio.

---------------------------------------------------------------------

Com a chegada das certezas e a ida dos fantasmas, sobra-me um vazio.

---------------------------------------------------------------------

Com a chegada das certezas e a ida dos fantasmas, sobra-me um vazio.

---------------------------------------------------------------------

Com a chegada das certezas e a ida dos fantasmas, sobra-me um vazio.

---------------------------------------------------------------------

Com a chegada das certezas e a ida dos fantasmas, sobra-me um vazio.

---------------------------------------------------------------------

Com a chegada das certezas e a ida dos fantasmas, sobra-me um vazio.

---------------------------------------------------------------------




Como um disco de vinil, vejo minha alma girar até um centro inatingível. O ruído da agulha tocando as imperfeições é delicioso. Os seus tons graves, saídos de caixas de madeiras impregnadas de eternidade, preenchem um cômodo inteiro. Bass, treble, mono, phone, balance, on-off, loudness, mode, filter. Ao contrário do que pensavam os pessimistas modernos, a miscelânea de botões não fragmenta a vida. Tampouco tais botões são peças de um mosaico que, vistos de longe, compõem uma pretensa unidade. Os botões são variáveis da consciência: eles estão organicamente ligados ao som que se reproduz. E ao contrário do que pensam os pessimistas pós-modernos, não há nacionalidade ou dominação na guitarra dobrada de David Gilmour. O âmbar que envolve a sala não tem lugar e tempo definidos. Como minha alma, o Animals flutua e envolve completamente o meu corpo deitado no chão. Fitando o teto, meu ser, em seus tons graves e em suas imperfeições, preenche o quarto e gira num ponto de equilíbrio desconhecido por todos os homens, mas, ao mesmo tempo, sentido por todos eles. Com a chegada dos fantasmas e a ida das certezas, sobra-me um suspiro substancial.

Um comentário:

Francisco disse...

Lindo...lindo...vc roubou minha mente, minha experiencia "animalesca"
Nada mais a declarar...
Bjs...te amo