quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Like tears in the rain






O belo espetáculo
da morte de uma constelação
Estende-se no tempo
para além de si:

dobra vagarosa do universo.


Da mesma forma,
a morte de um robô lança luz
sobre a experiência humana:

num ponto de calor, a intensidade da morte iminente
se transforma em pura poesia;
a experiência humana,
encontra seu paroxismo no salto quântico da história,
mostrando ao universo a beleza travestida de angústia,
explodindo em um milhão de cores

que se perdem no vácuo,
na dobra,
e se dispersam,
rarefeitas,

'like tears in the rain'.

O robô guarda a resposta para o silêncio do homem
em sua busca pela beleza fugidia:

'time to die'.

2 comentários: